Seja bem-vindo ao site dos Amigos da Marinha (Página não oficial)
Home Navio de Desembarque de Carros de Combate “Mattoso Maia”
Navio de Desembarque de Carros de Combate “Mattoso Maia”

Entre os dias 4 e 10 de agosto, o Navio de Desembarque de Carros de Combate (NDCC) “Mattoso Maia” iniciou os testes de funcionamento de dois dos seus motores diesel de propulsão. Os seis motores propulsores foram submetidos à extensa revisão geral, como parte do projeto de revitalização do navio, e serão comissionados progressivamente, ao longo do segundo semestre de 2017. Os testes com os motores permitirão o início dos ajustes e testes de aceitação do novo sistema de controle da propulsão, desenvolvido integralmente por empresa nacional.

Além dos testes com a propulsão, também estão em andamento os serviços finais de revitalização do sistema de geração de energia pelo navio. Os três grupos diesel geradores também foram submetidos à extensa revisão geral e um dos motores já foi parcialmente testado, com sucesso. Pretende-se comissionar o sistema até o final de 2017.

O dia 4 de agosto foi um marco importante do projeto de revitalização do NDCC “Mattoso Maia”. Na data, foi inaugurada a nova cozinha do navio, pelo então Comandante em Chefe da Esquadra, Almirante de Esquadra Celso Luiz Nazareth, acompanhado do Vice-Almirante Alipio Jorge Rodrigues da Silva, atual Comandante em Chefe.

O NDCC “Mattoso Maia” (ex-USS Cayuga – LST 1186) é o primeiro navio da Marinha do Brasil a ostentar esse nome, em homenagem ao Almirante Jorge do Paço Mattoso Maia, Ministro da Marinha, no período de 1958 a 1961. Seu deslocamento padrão é de 4.975 toneladas e de 8.576 toneladas carregado. Possui 171.05m de comprimento, 21.21m de boca e 5.24m de calado máximo.

Sua Propulsão é composta de seis motores diesel ALCO 16-215, com dois eixos e hélices de passo controlado. Dentre as capacidades do navio, destaca-se a de realizar abicagem e desembarcar material e tropa diretamente no terreno, por intermédio de sua rampa de proa.  O navio é atualmente comandando pelo Capitão de Mar e Guerra Marcos Taylor Fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *